Hospital de Ribeirão oferece atendimento exclusivo às gestantes e bebês em época de pandemia

Se gostou compartilhe!

Todas as cirurgias eletivas foram canceladas e circulação no Hospital Materno Infantil Sinhá Junqueira foi reduzida para proteger as grávidas, que estão dentro do grupo de risco

 

Desde o dia 11 de março, data em que a Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou a pandemia do Coronavírus, o Hospital Materno Infantil Sinhá Junqueira de Ribeirão Preto, cancelou todas as cirurgias eletivas, priorizando o atendimento obstétrico, com um esquema especial de atendimento às gestantes, puérperas e bebês. Além disso, limitou o acesso a um acompanhante por grávida e proibiu as visitas presenciais, estimulando a visitação virtual por chamadas de vídeo para que os familiares possam conhecer o novo integrante das famílias e interagir com as mamães, com rede de wi-fi liberada 24 horas por dia.

Caso alguma gestante tenha sintomas respiratórios suspeitos de Covid-19, ela tem fluxo diferenciado dentro do hospital, que pode incluir até o seu isolamento e do bebê até que saia o resultado do teste. Não há uma indicação da melhor via de parto durante essa pandemia, mas, se os sintomas respiratórios forem muito severos, a indicação por uma cesariana é recomendável, caso haja necessidade de entubação. Toda a equipe está preparada para atender com total segurança as pacientes com este quadro clínico. “Todos os profissionais, caso apresentem sintomas suspeitos, são imediatamente afastados e testados para Covid 19. Mas reforçamos que, felizmente, até o momento não houve nenhum caso”, alerta Marcelo Vettore, diretor técnico do hospital.

“Como o Sinhá não é um hospital geral, conseguimos evitar radicalmente o contato das gestantes e seus bebês com alguém que esteja com suspeita de Coronavírus. Isso proporciona maior segurança para as mamães nesse momento tão especial”, garante Luiz Alberto Ferriani, diretor clínico do Sinhá e vice-presidente da SOGESP (Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo). Mesmo em pacientes assintomáticas, o uso de máscaras na hora da amamentação, além de higienização das mãos com maior frequência também é o recomendado.

 

JÁ SEGUE O SEGURA PELO INSTAGRAM?

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *